domingo, 19 de abril de 2015

A importância do brincar


O brincar é importante para o desenvolvimento cognitivo e intelectual das crianças. E brincando que eles aprendem a agir, constrói seus conceitos e princípios morais e sociais. O ato de brincar é importante para o desenvolvimento infantil, pois ao entrar em contato com os brinquedos a criança tem a oportunidade de substituir objetos reais, como por exemplo, uma cozinha de brinquedo, mesinhas, carrinhos, quadro de giz etc.
Conforme ensina Friedman (1992), as brincadeiras contribuem de forma significativa para a interação entre as crianças e os adultos, em que podem experimentar novos comportamentos e inserí-los em seu contexto social. Bons exemplos disso são as brincadeiras em grupo, como pique-pega, pique-esconde, teatrinhos, amarelinha, etc. As brincadeiras se apresentam de diversas formas, variando de acordo com os costumes regionais, gerações e também a idade das crianças. Nesse sentido, esta autora ensina que:
A brincadeira constitui-se, basicamente, em um sistema que integra a vida social das crianças. Caracteriza-se por ser transmitida de forma expressiva de uma geração a outra ou aprendida nos grupos infantis, na rua, nos parques, escolas, festas, etc., incorporada pelas crianças de forma espontânea, variando as regras de uma cultura a outra (ou de um grupo a outro); muda a forma, mas não o conteúdo da brincadeira; o conteúdo refere-se aos objetivos básicos da brincadeira; a forma é a organização da brincadeira no que diz respeito aos objetos ou brinquedos, espaço, temática, números de jogadores, etc.(FRIEDMANN, 1992)
É um tanto quanto impreciso definir o brinquedo apenas como instrumento que confere sensação de prazer às crianças, e esquecer-se de uma de suas funções primordiais, que é a de colaborar com o desenvolvimento intelectual das mesmas, nesse sentido Vygotsky (1998) afirma que:
No entanto, enquanto o prazer não pode ser visto como uma característica definidora do brinquedo, parece-me que as teorias que ignoram o fato de que o brinquedo preenche necessidades da criança, nada mais são do que uma intelectualização pedante da atividade de brincar. Referindo-se ao desenvolvimento da criança em termos mais gerais, muitos teóricos ignoram, erroneamente, as necessidades das crianças – entendidas em seu sentido mais amplo, que inclui tudo aquilo que é motivo para a sua ação.
Para este autor é importante ressaltar que as crianças possuem necessidades que variam de acordo com sua faixa etária, com seu desenvolvimento ao longo dos anos. Uma criança pequena satisfaz seus desejos facilmente, ao passo que uma criança mais velha, em idade pré-escolar, por exemplo, passa a ter grande quantidade de desejos que podem não ser realizados de imediato. Assim, essa criança passa a criar um mundo lúdico em que se pode realizar suas fantasias, o que faz aparecer à necessidade de brincar e do brinquedo. De acordo com Vygostsky (1998)
No início da idade pré-escolar, quando surgem os desejos que não podem ser imediatamente satisfeitos ou esquecidos, e permanece ainda a característica do estágio precedente de uma tendência para a satisfação imediata desses desejos, o comportamento da criança muda. Para resolver essa tensão, a criança em idade pré-escolar envolve-se num mundo ilusório e imaginário onde os desejos não realizáveis podem ser realizados, e esse mundo é o que chamamos de brinquedo.
Assim, pode se considerar que o brinquedo possui papel fundamental no desenvolvimento do ser humano, criando sentimento de satisfação, felicidade, desperta a curiosidade e estimula a criatividade. Nesse sentido diz Cunha (1992)
Os brinquedos são convites para a interação; portanto, devem merecer nossa atenção especial. Eles podem seduzir, disseminar ideologias, introduzir bons ou maus hábitos e desenvolver habilidades. Certamente os brinquedos também podem ser ótimos recursos pedagógicos.

Os brinquedos são simultaneamente meio de brincar e instrumentos da inteligência e da atividade lúdica. Constituem-se como um reflexo das gerações passadas, dos parâmetros culturais desenvolvidos ao longo do tempo pelas diferentes realidades sócio-econômicas. Portanto, é no brinquedo que a criança aprende a agir, constrói seus primeiros conceitos, substituindo o que é real pelo lúdico, tudo inserido em um processo que envolve fatores como sensibilidade, percepção, atividades e interação.

Nenhum comentário: