sábado, 22 de março de 2014

Mini-Projeto: Memórias e Lembranças na Educação de Jovens, Adultos e Idosos.

Professora: Karla Wanessa



Justificativa
                           O estudo da História remete sempre ao passado e este é formado por vivências, experiências e impressões de um período existencial particular ou social. Portanto, as memórias no bojo este mini-projeto é concebida como exercício reflexivo das lembranças, levando a rememorização de acontecimentos marcantes da vida.
                           Até o presente momento o trabalho com as memórias eram tratadas como ícones nulos no trabalho em sala de aula.  Partindo da premissa de modificar esta realidade, e visando o resgate da essência da história de vida de casa aluno da EJAI, o projeto abarca a valorização de vida e a concepção de cada indivíduo como agente histórico produtor e participante de sua própria história, bem como também a social.

Objetivo:
 Identificar a importância da preservação de nossas memórias como sendo elemento constituinte de História, com ênfase na oralidade.

Fundamentação Teórica
                           Na conjuntura atual, a sociedade imbui cada vez mais os sujeitos a se portarem de modo a visualizar sempre o futuro e com isso o valor  representativo da memória não é valorizado como elos de vivências de diferentes etapas da história pessoal e também coletiva. Recordar, lembrar é, portanto, um lócus de compartilhamento entre pessoas e grupos. Embasado nestas colocações a memória é construída por todas as vivências desfrutadas, sentimentos, impressões, sensações e ideias. São elas que vão direcionar o aqui e agora, que se tornarão imagens-lembranças. “A memória é, sim, um  trabalho sobre o tempo, mas sobre o tempo vivido, conotado pela cultura e pelo  indivíduo.” (BOSI, 2003. p. 53).
                            Portanto, a memória por meio das lembranças tece e fortalece relações cotidianas, é o presente se sobrepondo ao passado. Dessa forma, é pela lembrança que recriamos o presente, e é isso que nos faz pronunciar o coletivo. “A lembrança é a sobrevivência do passado”. (BOSI, 1979. p.15). Por meio  dela o passado é recontado e perpetuado, nossas reflexões e  descobertas filosóficas se alicerçam. Assim, “a  memória permite a relação do corpo presente com o passado e, ao mesmo tempo,  interfere no processo ‘atual’ das representações” (BOSI, 1979. p.9). Em suma, a memória, como  baú vivo e fluído de guardados, imagens, de lembranças, são nossas referências, as formas de nosso conhecimento, igualmente  “a memória é a reserva que se dispõe da  totalidade de nossas experiências” (BOSI, 1979. p. 13).


Atividades Interdisciplinares Realizadas
(História, Língua Portuguesa e Matemática).
           Tempestade de ideias: O que é História?
            Formação do conceito de história pelos alunos e registro em cartaz;
            Discussão sobre a importância de evocarmos lembranças de fatos, lugares e pessoas;
          Estudo do texto: Lembranças de Infância  (leitura, interpretação e identificação dos elementos estruturadores desse gênero);
      Organização, em sala, de uma exposição de objetos e fotos antigos, com relatos de lembranças retidas;      Roda de lembranças inspiradas em frases lidas pelas professoras;
            Produção individual de um texto de memórias;
            Reescrita e aprimoramento do texto produzido anteriormente;
     Resolução de situações problemas envolvendo tempo cronológico em acontecimentos de lembranças fictícios ;
              Montagem uma linha do tempo de fases da vida específicas;
              Confecção uma colcha de retalhos com desenhos de suas memórias;

Avaliação
                         A avaliação será contínua levando em consideração a participação e  o interesse  nas atividades propostas, serão feitas intervenções sempre que necessário para o alcance do objetivo.

Referências
LEAL, Alessandra. Cultura e Memória: percepções das lembranças re-existentes no tempo1. Rio São Francisco – Pará. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/geouerj/article/viewFile/2459/1731 


Anexo Fotos






Anexos Texto
Lembranças da Infância
Cristiane Marino
Não é maravilhoso as lembranças que temos de nossa infância? São lembranças marcantes, tem cheiro, tem sabor, tem uma saudade gostosa que nos faz viajar longe e nos faz sensações bem parecidas com as que sentimos na época. Lembrar dos amiguinhos imaginários...nossa os meus me acompanharam por anos, que delícia! Eu lembro de andar de bicicleta no enorme quintal da minha casa, rodeava aquelas árvores e parecia que eu ia para outra cidade, meu pai fez um balanço para cada um e assim cada um tinha sua árvores, eu conseguia ficar horas no vai e vem do balancinho sentindo o vento no rosto e minha mente ia criando diversas situações imaginárias, era tão gostoso! Gosto de lembrar do quartinho que tinha no fundo de casa onde brincávamos de escolinha, meus irmãos eram os alunos, e o café da tarde nossa! Café com leite e pão com manteiga, sentávamos na beira da porta com os pezinhos pendurados rs e qualquer coisa era motivo para eu e meus dois irmãos rirmos até quase fazer xixi nas calças rsrs. Ai que tempo bom... Poucas preocupações... E todos reunidos.
E algumas lembranças são ainda mais especiais... Eu amo o Natal... Porque meu pai sempre trabalhou demais, e ficava pouco em casa, mas quando ficava era uma verdadeira festa, nos carregava no "cavalinho" pulava e fazia a maior algazarra com a gente... E no natal ele tinha férias, então o pai ficava em casa o dia todo, claro que não ficava parado, era o tempo todo arrumando algo pra fazer, bater um prego aqui, podar uma árvore ali, e nós três atrás rs.
Mas, o que mais ficou registrado em minha memória, é que nessa época íamos todos na avenida principal comprarem roupas novas para viajar, íamos para casa da Tia Vera que era aquela tia que fazia todas as coisas gostosas que crianças adoram, e sempre tinha um presentinho na casa dela... fora que brincávamos de rolar de rir com os primos, o natal representava família reunida, feliz, tranquila...e num desses natais meu pai comprou um cachorro quente para nós, do tradicional mesmo...acreditem! Até hoje sempre que posso compro cachorro quente (tradicional), percebo que é como se eu pudesse reviver aquele momento novamente...
São doces lembranças do passado, da minha infância... Esses registros nos ajudam a crescer e amadurecer e servem também de norte para criarmos nossos filhos, porque eu sempre fico me questionando que tipo de lembrança quero deixar para minha filha... É claro que quero as melhores possíveis!

Nenhum comentário: