sábado, 9 de maio de 2009

Como Desenvolver a Capacidade de Aprender


 Como Desenvolver a Capacidade de Aprender


As diretrizes do artigo: Como desenvolver a capacidade de aprender, está focado na atitude de querer aprender, que segundo Martins Vicente está alicerçado no procedimento do professor levar os educando a motivar-se, pautado nos seus interesses a fim de que eles reflita, sobre a expectativa de aprender a conhecer, fazer, conviver e ser pessoa. No cursor das competências e habilidades, embaldado no desenvolvimento das aptidões cognitivas e procedimentais que Martins intercala pressupostos de acesso a estes preceitos: aprender a pensar, aprender métodos e técnicas de estudo que rememorem a auto- aprendizagem do aluno. É na aprendizagem de conhecimento ou conteúdo, que mobiliza um legado significativo da construção do currículo escolar, permeado dos aspectos fundamentais para a construção plena do indivíduo conforme a Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Entretanto inerente aos seus postulados sucede uma ambiguidade: Saber ensinar é tão importante quanto saber aprender? Esta indagação na visão de Martins objetiva panorificar a escola tradicional onde muitos professores sabem conhecimentos, porém poucos ensinam a aprende, faltando o ensino as estratégias de aprendizagem. Pois Vicente é enfático: “saber ensinar é oferecer condições para que o discípulo supere o mestre”. Porquanto o saber não é exclusividade de quem ensina, o redirecionamento que se deve oferecer a prática educativa pressupõe um novo papel de professor, que leva o aluno a aprender a conhece, exercitando assim sua atenção, memória e pensamento autônomo. Martins avalia essa dificuldade existente e a condiciona a dificiência do processo de formação academica, cujo o ponto principal concentra-se nos conteúdos da Ciências, ocasionando deste modo um descuito das competências e habilidades que deve ter o futuro professor. Assim sendo, as dificuldades dos docentes reside no fato de desconhecerem como os alunos podem aprender e os processos que devem realizar para alcançarem êxito, além disso muitos desconhecem conceitos de aprendizagem, memória sensorial, memória a curto e a longo prazo, bem como estratégias cognitivas.em decorrência das dificuldades dos docentes emerge as dos alunos, estrita em sua maioria nas estratégias de aprendizagem. Grande parcela no alunado não distingue o poder da leitura em auxiliar na aprendizagem e na compreensão. Diante deste conjunto de discussões Vicente destaca a postura da família e da escola que ainda apresentam-se conservadores. Para o autor os procedimentos da escola e dos professores devem ter fundamentações pedagógicas, valorizando a escrita livre do aluno, aceitando a sua variação linguística de origem popula, e não somente prender-se no ensino da Língua com suas regras gramaticais. Martins Vicente descreve o Brasil historicamente como mais teorico e de menos conhecimento do processo de ensino-aprendizagem. Para ele o grande desafio é equacionar as conjunções dos pilares do processo de ensino-aprendizagem: mediar, avaliar, para uma qualidadeeducacional. E neste aspecto o papel da famíla é acompanhar de perto a elaboração da proposta pedagogica da escola e a figura do professor pe de mediador, instrutor,facilitador na aquisição e desenvolvimento da aprendizage, porque o conhecimento pode ser democraticamente capturado ou adquerido por todos.


OS ENLACES DA APRENDIZAGEM
Legitimar os mecânismos da ação de aprender sugere uma gama de fatores prioritários que dependem das estratégias de aprendizagem recebidas pelos alunos de seus professores, referi-se em suma de um processo que se funda entre a socialização e a individuação da pessoa. O grande diferencial do sucesso escolar e de uma eficaz aprendizagem perpassa por todas as esferas do processo de elaboração e execução do sistema educativo, sendo seu maior ou menor grau de intensidade e amplitude. O cunho central da construção da aprendizagem dá-se por meio de uma atividade de associações e interações, que procura ligações de dados antigos a novos, como propunha Piaget. Hoje como a profusão dos meios de comunicação e das fontes de informações, há um grande estímulo a instrumentalização das variantes linguíticas, como meio de transformar as experiências de uma cotidianas em interfaces conceituais. A fim de suprir o diagnóstico problemático da educação, a eficiência de uma aprendizagem plena só será possivel se esta remotar a seu início formador o curriculo pedagógico, pois o mesmo é a fundamentação teorica para o trabalho em cada área disciplinar, condudentes com a reconstrucionalização social, sendo fruto da discussão coletiva. Diante de uma construção pedagogica alicerçada em bases legais como ressalta o artigo 206 § VI LDB 96, a escola assumi sua função de garantir a prtica educativa e a integrçãoda prática, em uma gestão conjunta e democrática. Concebe-se portanto o professor que auxilia e motiva-os com assuntos de seus interesses e experiencias, gerando o prazer pela descoberta. É nesse contexto se utilizar das tecnologias de informações a fim de levarem os alunoa a serem seletores, adquirindo de forma aplausível a aprendizage, pois passa a compreender o objeto do conhecimeto, passando a criticar e validar seus conhecimentos em diversas situações. Esse aluno é concebido pautado em tecnicas que aprimoraram sua aprendizagem. No entanto os enlaces educacionais fundamentados na autonomia e no respeito ao ser do educando é compreemder que a escola não é a justaposição de salas e que aprendizagem é fruto real cultivado por um longo processo de aragem(curriculo), plantação(planejamento), regação( o incentivo da pesquisa) e o crescimento ( transferência da aprendizagem para outras ocasiões), porque educar é um trajeto árduo e irrefutável.
Ante ao exposto neste trabalho de articulação, a aprendizagem não é um produto pronto, que o professor sucita no aluno, ele é um processo de uma dimensão ampla , que envolve em primeiro plano a disposição do indivíduo em querer aprender e diante disso o engajamento do professor a levá-lo a construir por si mesmo sua aprendizagem com salienta Vygotsky. Entrelaçado a eses fatores se originaliza muitos outros, cujo poder pode contribuir para o desenvolvimento ou seu istagnamento. O professor como direcionador da aprendizagem integra idéias variadas e utiliza eses conhecimento de forma fluente no seu educar, criando esquemas diversos para os estilos de aprendizagens de seus alunos, abordando meios visuais, anotações , discutindo dentre outras.


REFERÊNCIAS O trabalho docente no espaço educativo/ Fernando Barroso Zanluchi; Cleide Vitor Mussini Batista; Samira Fayez Kfouri da Silva; Adriana Regina de Jesus dos Santos; Sandra Regina dos Reis Rampazo; Vilma Aparecida Gimenes da Cruz. Londrina: Editora Unopar, 2008.
Vicente, Martins. Como desenvolver a capacidade de aprender. Disponivel em : http//meuartigo.brasilescola.com/pedagogia/como-desenvolver-capacidade-aprender.htm Araújo, Paulo. O norte para a aprendizagem.
Revista Escola. Editora: abril. Janeiro/Fevereiro 2008. Meirieu, Phillippe. O desafio de democratizar a escola.
Revista Pátio. Editora: Artmed. Agosto/ Outubra 2008. Macedo, Lima de. Estratégias e procedimentos para aprender ou ensinar. Revista Pátio. Editora: Artmed. Agosto/ Outubro 2008.

Nenhum comentário: