sexta-feira, 8 de maio de 2009

SOCIEDADE E CULTURA

SOCIEDADE E CULTURA

INTRODUÇÃO O texto que se segue está alicerçado nos artigos 1º e 2º da Declaração Universal sobre a Diversidade Cultural, tomando como fator divulgador e produtor da convivência harmoniosa a escola e o professor. Partindo das relações entre os homens em aspectos econômicos, políticos, sociais e culturais que cunham as sociedades. Assim como o próprio artigo 2º inicia-se, falando da influencia humana mútua para se dá um concreto abarcamento dos cidadãos, é preciso apagar a visão etnocêntrica que rejeita e emudece o outro e ampliar a relativização concedendo a possibilidade da analise absoluta do sucedido para uma transformação e vitalidade de sociedades plurais.



A CONSTRUÇÃO DE UM INDIVÍDUO PLURAL A composição populacional das sociedades ao longo da historia constitui-se da heterogeneidade a diversidade como traço importante na constituição de uma identidade, sopesar esta realidade não significa recusar a existência de peculiaridades comuns, mas para uma explanação eficaz se faz necessário distinguirmos Diversidade Cultural e Pluralismo Cultural. A existência de abundantes culturas numa localidade, sem que uma predomine, denomina-se Multiculturalismo ou Pluralismo Cultural, já a Diversidade Cultural conglomera as diferenças culturais que existem entre os indivíduos como: linguagem, vestimenta, etc., é imprescindível que o professor tenha a diferenciação clara em sua formação, para uma pratica eficiente. Em um mundo atraente e cheio de obstáculos, respeitar e valorizar as diferenças étnicas e culturais não vem sendo imposta como anuir aos valores de outrem, mas comporta na construção de uma sociedade justa, livre e fraterna, longe da desigualdade social produzida pela dominação e exploração socioeconômica e política, do preconceito onde desigualdade social e discriminação articulam-se convencionando a supressão social que impossibilita assim o acesso aos bens materiais e culturais produzidos pela sociedade. Tratar da diversidade cultural é cogente do trabalho educativo, voltado para a cidadania, pois a coexistência ampla da diversidade ética, lingüística e religiosa, constitui em experiências de criação cultural como obra coletiva. Cabe ao processo educacional (escola/professor) aborda a temática no campo ético desenvolvendo nos educando atitudes e valores que serão incorporados a sociedade em novos comportamentos. Para tal é relevante o conhecimento mútuo entre regiões, grupos, indivíduos para a consolidação do espírito democrático. A escola como espaço que se dar a convivência entre crianças de origens e níveis socioeconômicos diferentes, oferece intercâmbio que é aspecto central para a consolidação da diversidade cultural, a criança vê-se como agente produtor, estabelecendo conexões do que se aprende na escola e a vida da população. Incube-se ao professor a interação da reflexão e ação, discutindo permanentemente suas relações, buscando superar preconceitos ocorridos em sala, uma vez que a aprendizagem da convivência é ponto culminante para aguçar a percepção a diferença dos alunos por intermédio de programas de televisão, reportagens, imprensa escrita. A analise de situações que manifestam preconceitos sejam eles verbalizados, gesticulados ou de expressões encaminham uma discussão a temática, bem como depoimentos gravados, correspondências escolar (aluno/professor, aluno/aluno), consultas a regulamentos, intercâmbios da escola com movimentos sociais. A escola e o professor agem com provedores aos princípios de liberdade, justiça, solidariedade no lugar onde são ensinadas as regras do espaço público para o convívio democrático com a diferença através do lúdico como conto, músicas, etc.,que são peculiares de cada povo, proporcionando desta forma um novo olhar de igualdade dos direitos e dignidade individual e coletiva.


CONCLUSÃO Propor a criança uma abertura para culturas diferentes da sua, engloba conteúdos atitudinais que dialogam com a necessidade de novas estratégias educativas que conduzem a objetivos plenos, representados em conhecimentos sistematizados sobre a realidade plural. As produções sociais não ocorrem fora da relação de poder, cada manifestação social volta-se ao grupo que a produziu e organizar esse conhecimento permitirá a integrarão entre o vivido e o aprendido, pressionando a flexibilidade do senso comum em cada aluno. A revisão das práticas leva a eliminação de constrangimentos em sala e fora dela, entrelaçando a escola, comunidade local e sociedade, propicia-se a compreensão do valor das culturas por meio da vivência que coopera para a apuração da injustiça, preconceito e discriminação.



REFERÊNCIA Parâmetros Curriculares Nacionais: Pluralidade Cultural: Orientação Sexual/ Ministério da Educação. Secretária da Educação Fundamental. -3.ed._Brasília: A Secretaria, 2001.


Fundamentos socio-cultural-político-economico do Processo Educativo/ João Vicente Hadich Ferreira; José Roberto Garcia; Adriana de Fátima Ferreira, Okçana Battini; Adriana Regina de Jesus dos Santos; Fernando Barroso Zanluchi. Londrina: Editora Unopar, 2008.

Um comentário:

Anônimo disse...

J'aime vraiment votre article. J'ai essaye de trouver de nombreux en ligne et trouver le v?tre pour être la meilleure de toutes.

Mon francais n'est pas tres bon, je suis de l'Allemagne.

Mon blog:
rachat credit sans hypotheque puis courtier Rachat de Credit