quarta-feira, 5 de outubro de 2011

GESTÃO: Tempo x qualidade

Heloísa Lück, coordenadora da pesquisa Práticas de Seleção e Capacitação de Diretores Escolares, afirma que o pouco tempo na função prejudica a gestão e ressalta que o essencial é o diretor ter o apoio da Secretaria de Educação para atingir os objetivos educacionais

Qual é a relação entre o tempo no cargo e a qualidade da gestão?
Heloísa Lück: O problema de ter um mandato curto é que quem está no cargo não planeja mudanças profundas, pois sabe que não conseguirá concretizá-las, e os professores e funcionários não se esforçam para viabilizar as ações propostas, com a certeza de que logo haverá outro gestor, com novas ideias e sugestões. A expectativa de permanência na função, portanto, dá mais credibilidade ao diretor para promover as mudanças necessárias.

Existe um tempo mínimo para que um diretor realize uma boa gestão?
Heloísa Lück: Não. Quando ele é competente, sabe mobilizar a comunidade em torno da promoção dos objetivos educacionais e tem interesse em fazer mudanças contínuas. Por isso, não deve haver limite para sua permanência na escola. O diretor deve ficar enquanto estiver contribuindo para a melhoria do ensino.

Há como criar avaliações periódicas para a gestão escolar?
Heloísa Lück: Os sistemas de ensino podem promover avaliações de forma processual e associadas a práticas de supervisão do trabalho dos diretores e de formação contínua para eles. Só assim é possível identificar quando alguém, apesar do apoio e da orientação, não demonstra condições de melhoria ou não consegue desenvolver as competências básicas para a função.

Como evitar que alguém que está no cargo há muito tempo não se acomode nem se sinta dono da escola?
Heloísa Lück: Quando isso acontece, é porque há o distanciamento entre as escolas e a Secretaria de Educação. Se há orientação e apoio aos diretores, com base em uma concepção de gestão clara e em critérios de desempenho definidos, não existe o risco de que eles se acomodem ou confundam o espaço público da escola com uma propriedade particular.

O exercício da função de diretor deve ser associado a uma carreira?
Heloísa Lück: Creio ser possível combinar a perspectiva da carreira como uma posição funcional - sujeita a níveis hierárquicos e promoções com base em mérito e tempo - àquela que considera o cargo como um conjunto de competências desenvolvidas ao longo da vida profissional pelo gestor. O ideal é que ele comece em funções de vice ou supervisor pedagógico e, à medida que ganhe experiência, assuma posições de maior responsabilidade, como a gestão de escolas de grande porte.

Nenhum comentário: